segunda-feira, 15 de abril de 2013

Estação crescer

 
 
É tempo de plantar
 
Ando meio distante desse mundo perfeito.
Meio longe desse caminho estreito.
Mas aberta ao mundo avesso.
As loucuras sonhadas. Aos encantos simples.
As visões motivadas pelo brilho do possível e não favoráveis também, porque na vida é preciso perder para encontrar, plantar para comer, chorar para depois rir, e até chorar de tanto sorrir.
 

O que vale na vida não é o ponto de partida
e sim a caminhada.
Caminhando e semeando,
no fim terás o que colher.
Cora Coralina
 

(desabafo, a página arrancada do diário)
 Escolhi este verso antes de tudo por ser fã de Coralina, depois por sentir que ilustra muito bem a fase que adorna meu coração ingénuo. O desespero bate a porta, eu abro, a necessidade grita e o campo ainda está vazio, sem plantações, sem cores. O desespero continua, a estrada alonga e os desejos não alimentam. Crise?! Momento de pura angústia, misturada a desejos calados, sonhos inquietos. Tento traçar metas, desvio barreiras, freio o tempo e por vezes acelero, mas nada para e a caça por melhores alternativas seguem rumo ao ideal: vencer. Ufa! Acho que perdi a receita da vida, talvez nunca tenha seguido alguma, papai, mamãe, nem vovó, nunca ligaram para isso, dificilmente se importanvam por algo além de seus interesses. E o meu método foi sempre abrir os olhos em meio a escuridão, caminhar devagar, confiante, topando, esbarrando, mas seguindo em frente sem olhar para trás. E isso nunca foi fácil. Os conselhos dos conhecidos e desconhecidos não eram tão aceitáveis, a vizinhança bem menos inspiradora, mas ainda serviu de lição. Nesse meio aprendi a dircernir o que era bom e o que era mau. O que era meu, o que não era. E o que podia ser. Enfim, cheguei ao fim e ao início, novamente. Completei etapas, pulei fases, voltei atrás e hoje tento consertar. Por quantos inícios temos que passar? Quantas provas ainda temos que realizar? Em quantas filas temos que madrugar, insistir para uma chance alcançar? Tantos mistérios, tantos sonhos, tantos bloqueios. E eu já passei dos 15, dos 20... E só sei que os anos chegam apressados e a luta segue vagarosa, dolorosa. Há estradas novas a percorrer, muita chuva para tomar, sóis para aplaudir e noites estreladas para admirar. Há muito o que enfrentar, que lutar, que suar, que correr. Há muito fim para escolher!
 
 



2 comentários:

Marina disse...

beleza singular ... lindo blog!

Pedro Luis López Pérez (PL.LP) disse...

Vengo del blog de Ana Carolina y me ha encantado tu Rincón; por lo cual, si no te importa, me hago seguidor de tu Mágico Espacio.
Abraços.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...